Nossa história está se apagando..!!!
27/03/2021 07:43 em Novidades

Logicamente que, com o passar dos anos nossa história poderia se apagar vagarosa e gradativamente, mas essa Pandemia está acelerando um pouco esse processo... Estamos perdendo pessoas que poderiam ficar com a gente ainda por muitos e muitos anos, deixando uma lacuna e uma saudade imensa e constante em todos nós.

No finalzinho do ano passado perdemos um dos ícones de nosso futebol do passado, Izaltino Ferreira de Castro, que muito contribuiu para a história dessa modalidade esportiva popular e milenar. Uma pessoa humilde, botafoguense e cruzeirense doente, deixou seu nome gravado nos anais da história de nosso futebol como treinador e diretor de esporte, principalmente com equipes formada por adolescentes. 

Meses depois, já no ano corrente, perdemos Ney Franco da Silveira, um dos antigos e importantes empresários de nossa cidade, no ramo de movelaria, e depois passou a trabalhar como artesão. Uma pessoa integra, humilde, trabalhadora, religiosa e um exímio chefe de família.

Na semana passada perdemos nosso conterrâneo Zelito, filho do também saudoso José Hoston e genro do sr. José Policarpo, pessoa alegre, sorridente, comunicativa, também futebolista onde atuou em esquipes tradicionais de nossa região. Pessoa do bem.

Na mesma semana perdemos Geraldo Rodrigues Campos (conhecido como Geraldo da Leantex), ex-vereador de nosso antigo distrito e um dos mais antigos e tradicionais comerciantes de nossa Vargem Alegre, quando empregou, na época, dezenas de nossos conterrâneos. Um dos  antigos pilares a igreja evanglica Assembleia de nossa comunidade. 

Ainda na mesma semana nos deixou Juarez Machado Franco (conhecido como Juarez do Jadico), jovem e dinâmico empresário, o qual estava tornado-se um dos mais importantes atacadistas de nossa região, mais uma inportante fonte de emprego de nossa cidade. 

Ontem, 26-03-2021, perdemos João Machado Franco (conhecido como João Niquinha), de família tradicional de nosso município, também um dos mais antigos e renomados comerciantes de nossa terra, primeiramente com uma loja do ramo de tecido que se chamava "Casa Franco" e depois com a "Padaria Vargem Alegre". Pessoa da melhor qualidade possível e imaginária. Um pessoa franca, honesta e trabalhadora, de poucas palavras e de uma lealdade incomparável.  

A vida é assim, estamos todos de passagem, só que as vezes nosso bilhete de volta é antecipado sem solicitarmos ou sabermos a data certa da viagem.  

 

COMENTÁRIOS