O encantador de serpentes: uma metáfora da vida - *Walber Gonçalves de Souza é
20/08/2018 05:13 em Novidades

 

                Todas as tardes naquela mesma praça a cena se repete, a poucos metros da entrada principal da imponente catedral ele arma seu espetáculo, cuidadosamente e mantendo a calma de sempre.

                Um senhor apresentando meia idade, com indícios de calvície e com alguns cabelos brancos senta-se de pernas cruzadas de frente a um saco branco, igual aqueles que são usados para o transporte de café ou açúcar. Mesmo não sendo possível ver o que se encontra dentro dele, é nítido que algo vagarosamente se movia em seu interior e de posse de um porrete em uma das mãos ele minuciosamente o utiliza para desenrolar a boca do saco.

                Assim que a boca do saco é aberta aquilo que se mexia lá dentro começa a ganhar a direção da liberdade. E não demorou muito a criatura misteriosa aos poucos despontava pela boca do saco, podendo ser vista por uma porção de transeuntes, que pela curiosidade se aglomeravam ao redor do homem.

                A criatura que causava espanto, medo e curiosidade era uma cobra, uma serpente reconhecidamente como venenosa e cruel, capaz de matar seu algoz, sem dó nem piedade. Sua mordida cheia de veneno permitirá apenas mais algumas horas de vida.

                Mas o que deixava a todos atônitos é que aquele homem ficava sentado muito próximo dela, se fosse possível medir a distância entre os dois não passaria de meio metro.

                Para deixar a cena ainda mais estranha, o homem, após deixar o porrete que estava em sua mão posicionado ao seu lado, pois de acordo com ele poderia ser usado caso a cobra o atacasse, começou a tocar uma flauta, emitindo um som melodioso. Neste instante a serpente, que já estava quase que totalmente fora do saco, parou e começou um movimento de erguer a cabeça cerca de trinta centímetros do chão. Neste momento os que estavam ao seu redor observando, ficaram apreensivos, pois pensaram que a serpente estava preparando um bote fatal.

                Depois de uns minutos, pois pareceria que a cena estava congelada, a não ser pela melodia; o senhor lentamente aproximou-se da cabeça da serpente e de forma ligeira e ao mesmo tempo sagaz, tocou-a com os lábios. Nesta hora as pessoas pareciam delirar, pois não acreditavam no que estavam vendo.

                Voltando à sua posição de origem, parou de tocar a flauta, neste instante a serpente deita-se e com o porrete em mãos novamente ele a empurra para dentro do saco.  Todos ficam encantados e como forma de retribuir doam algum dinheiro para o senhor, que agradecido diz que no noutro dia estará ali de novo para repetir o feito.

                Pena que as pessoas não sabem que o encantador de serpentes, tirou dela as presas, cegou-a e a mantém sempre muito bem alimentada. E através de uma falsa autoridade adquirida e admirada continua enganando as pessoas que existem em propagar os seus feitos de herói, como se fossem verdadeiros.

 

*Walber Gonçalves de Souza é professor - Professor, escritor, membro das Academias de Letras de Caritinga, Teófilo Otoni e Maçônica do Leste de Minas

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!